Ledusha escreve um poema para Madonna

Madonna de Sodoma,
dona de Manhattan
London, Lesbos,
pública pubis pulsante:
sem gozo, função ou nexo,
exploro ágil meu sexo.
Além dos princípios,
além das trapaças, eu amo:
os orifícios e as máscaras.
Quase tudo que me assusta,
o artifício ultrapassa:
a dor, a melancolia,
o amor, a morte vazia.
O mundo, a mídia, o medo,
o falo, a língua, o dedo,
sigo sugando devassa.
Eu me adoro, eu me basto,
eu me cozinho e como.
Fiz do meu tédio meu trono.

 

20190408_143011
/
Ledusha: “Esse poema pouquíssimos conhecem, escrevi para a revista The Journal, do Claudio Schleder, nos anos 90, quando a Madonna lançou o livro de fotos SEX”.

 

Ledusha Spinardi nasceu em Assis (SP), em 1953. Poeta e tradutora, publicou os livros Risco no disco, Finesse & fissura, 40 graus, Exercícios de levitação e Notícias da ilha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s