Luiza Mussnich escreve um poema sobre foto de Vicente de Mello

apesar da luz algo
ainda não aparece algo
ainda parece se mover pela sombra
pela sobra do contorno de um corpo
e que agora
é somente dobra de lençol esfriado

dobras que poderiam ser contadas
como as ranhuras de uma árvore derrubada
para denotar o tempo ou a distância
para detonar a ausência
mas o movimento inerte

o que será que faz convulsionar
a memória?

o movimento inerte é apenas uma lembrança
se debatendo um peixe
que parece uma flor murcha que já
quase não existe
brocha sobre um piso de tábua corrida
os olhos ainda sentem
a quentura e o cheiro invisível da pele deslizante

Luiza Mussnich, poema sobre foto de Vicente de Mello

/

Luiza Mussnich é poeta, escritora e jornalista. Publicou os livros de poesia “Microscópio”, “Lágrimas não caem no espaço” e “Para quando faltarem palavras”, todos pela Editora 7Letras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s