Não dão uma palavra, por Leticia Tandeta

“O auge do instante contemplativo é um estado paradoxal: é um não ser no que, de alguma maneira, se dá o pleno ser. Plenitude do vazio.

Um sucessor de Bashô, o poeta Oshima Ryota (1718-1787), alude a esta suspensão do ânimo em um poema admirável:

Não dão uma palavra
o anfitrião, o hóspede
e o crisântemo”*

220170518_154024620170515_15384120170514_09465920170606_1540171

/

Letícia Tandeta Tartarotti (Rio de Janeiro – 1961) é artista plástica, poeta e produtora cultural. E desde 2015 é uma das gestoras do projeto/espaço autônomo A MESA, de artes visuais e poesia, no Morro da Conceição, no centro do Rio de Janeiro.

*Em Sendas de Oku, Matsuo Bashô, tradução de Olga Savary

Seleção das fotos: Pollyana Quintela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s