Nina Zur escreve um poema para uma foto de Boris Kossoy

sou o rosto desfigurado
que chama
vem, e rosna
não há em que acreditar
a não ser no desterro
– sou sozinha
rosno
enquanto espero um trem que
não vem não parte

tenho um púbis de pedra
liso
como esse chão que meus pés
agarram
essa estação em que
permaneço
em que me estranho

éramos um jogo de imitação
do qual falam os véus
éramos um perder dos trens
deixá-los partir
dentes de cobre

nada resta além da falácia
da longa espera
por um vento
que me arranque as mãos
do rosto
mas os trens sequer movem
os trilhos sequer curvam

o exílio é um véu
cobre sem vento
bafo de
mulher
que rosna

noiva

Boris Kossoy, A Noiva (1). Franco da Rocha, São Paulo, 1970

 

/

Nina Zur, 25, é carioca, poeta, graduada em direito (UERJ) e pesquisadora do ISER. Autora do livro A chance do corte, recém publicado pela editora Cozinha Experimental, também tem poemas publicados pela editora 7letras, pela revista Garupa e pelo projeto Mulheres que escrevem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s