Liv Lagerblad escreve um poema para Lou Salomé

lou, teus seios eriçados
atravessam os séculos
e esses dois homens ao seu lado
te olham devotos
te devoram ávidos
contra toda norma você
antídoto para a moral, lou,
vocês libertos
mesmo do amor, essa invenção burguesa
mordendo a língua
como nietzsche
quase um menino, como ree
lou, felina vadia
de travestir-se eventualmente em loba
ganir nua diante do grande vazio
escapar do que tolhe por acaso
escapar forçosamente do que oprime
lou,por essa trilha já aberta
pouca e incipiente
caminho e cambaleio, bêbada como um gambá
possível que dalgum conhaque
caminho na rebarba da tua liberdade
e te escrevo, defunta, pra dizer
que querer o percalço e a falha
na ausência de algo mais vistoso
tem sido, também
minha força e guerrilha

 

Nietzsche_and_Lou_Salome

Lou Salomé, Paul Rée e Nietzsche, em 1882.

 

/

Liv Lagerblad é poeta e artista plástica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s