Juliana Amato observa uma foto de Klaus Kinski e Werner Herzog e escreve sobre o mistério das relações

O que vejo são os seus desenhos sombrios, grafite, carvão, as formas difusas que existem em algum lugar da Terra, certamente entre árvores gigantes, no verde-escuro e úmido das florestas tropicais. Vejo o seu olhar fixo e determinado. As plantas dos seus pés pisando inteiras no chão quando você caminha. O universo que você me fez criar ao seu redor com todos os elementos, enfeitei com Conrad, com Lynch, com Herzog – um universo impossível de estar por muito tempo, porque assustador, por sua força.

As incontáveis vezes que você falou do Kinski, que falamos, conversas hipnotizantes sem fim sobre como pode existir essa pessoa e esse outro mundo, a eterna mesa de madeira entre nós, o lustre tremendo baixo sobre as nossas cabeças e seguimos dissecando as nossas obsessões, como adequá-las a essas pessoas, a esse mundo, a nós mesmos. A busca da expressão perfeita, da imagem mais viva, da palavra mais certa e o esforço descomunal para sermos, ao mesmo tempo, pacientes.

Suas mãos transpiram e você recolhe as minhas. O som de nossa pulsação, e a cavalaria.

klaus kinski herzog mein liebster feind

/

Juliana Amato. Meu melhor inimigo

/

Juliana Amato (julianaamato.com) observa e escreve.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s