Os autorretratos de Vivian Maier

Para além da fotografia de rua que retrata a sociedade americana nas décadas de 50 e 60 – sobretudo a vida nas cidades de Chicago e Nova York –, uma parte expressiva do acervo de Vivian Maier é composta por autorretratos.

Diferente da encenação/teatralidade e da narrativa/autodramaticidade de fotógrafas como Francesca Woodman e Cindy Sherman, Vivian Maier, ao que parece, buscava apenas se inserir na paisagem com sua Rolleiflex, no entanto, sempre com grande elegância e apuro estético.

Nesse sentido, suas imagens estão mais próximas da obra da alemã Ilse Bing e seu “Autorretrato com uma Leica”, de 1931.

De olhar arguto, Vivian Maier servia-se de qualquer superfície que refletisse sua imagem – vitrines de lojas, cabines telefônicas, espelhos, calotas de automóveis e imensos holofotes –, mas também sabia projetar sua sombra na grama de um parque, na areia de uma praia e ao longe, em um edifício. Era, certamente, hábil e engenhosa na arte de retratar a si mesma.

Não existia clamor por atenção – não que ela quisesse, ao que parece, ser invisível – e aqueles que se apressam em nomeá-la, e a Francesca Woodman e Cindy Sherman, principalmente, como pioneiras do selfie – pensamento fácil e clichê –, deveriam lembrar que autorretratos existem desde o surgimento da fotografia.

Nem todos vivem ou elaboram a vida através de uma lente filosófica, estética ou acadêmica, ou são ávidos pela autoexposição e Vivian Dorothea Maier talvez fosse, ao contrário da pessoa excêntrica e misteriosa que muitos querem, apenas uma pessoa reservada, com grande talento para a fotografia e que desejava retratar a si e ao mundo, colecionando imagens como em um diário.

Pouco mais de dez anos após a descoberta acidental de seus negativos por John Maloof, um agente imobiliário que por acaso adquiriu em um leilão um lote de bugigangas e com isso fez o nome na história da fotografia, trava-se hoje uma batalha legal e intelectual acerca de Vivian Maier e sua obra. É grande a especulação sobre as motivações, sobre o que a levou a fotografar, de onde viria sua técnica, que fotógrafos a influenciaram, e, principalmente, por que ela manteve suas imagens em segredo.

Fala-se em timidez, solidão voluntária e de uma personalidade antissocial – e, no entanto, ela nunca parece triste ou melancólica em suas fotos. Muito pelo contrário, ela parece sempre estar muito à vontade.

Infelizmente, Vivian, que faleceu em 2009, aos 83 anos, sozinha e anônima em Chicago – e que completaria, nesta quinta-feira, 92 anos – nunca responderá a essas perguntas.

Dorrit Hazarim, em O instante certo – livro fundamental para os amantes da fotografia –, vai direto ao ponto: não há filme ou livro capaz de solucionar o enigma central da existência de Vivian Maier.

Talvez o mais próximo que teremos de uma pista e depoimento legítimo da hoje consagrada fotógrafa, seja algo que ela, nos tempos de babá, disse para um de seus empregadores:

“I have to tell you that I come with my life, and my life is in boxes”.

 

Cassiano Viana, Os autorretratos de Vivian Maier.

/
Cassiano Viana (@vianacassiano) é editor do About Light.

 

Veja galeria de autorretratos de Vivian Maier aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s