Drummond escreve um poema para as fotografias de Rogério Reis

No dia 25 de outubro de 1980, o Jornal do Brasil publicava o poema “A excitante fila do feijão”, de Carlos Drummond de Andrade.

Drummond se emocionara com as fotografias estampadas no jornal três dias antes, quando Rogerio Reis registrou a multidão que tentava comprar – entre gritos, desmaios, bordoadas e prisões –, um simples quilo de feijão, em um supermercado no bairro de Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Faltava feijão no prato, mas também faltava leite e carne, um dos primeiros produtos a sumir dos frigoríficos e supermercados. Os brasileiros amargavam tempos difíceis, com a falta de alimentos e a inflação alta. A população de menor aquisitivo, como a de Campo Grande, obviamente eram a mais atingidas pelas prateleiras vazias.

“Larga, poeta, o verso comedido,
a paz do teu jardim vocabular,
e vai sofrer na fila do feijão”.

Escreve Drummond.

Publicado o poema, na capa do saudoso Caderno B, Drummond escreveu para Rogério:

“Rogério: suas fotos deram mais vida aos meus versos”.

Reproduzimos abaixo o poema A excitante fila do feijão, de Carlos Drummond de Andrade.

 

A excitante fila do feijão

 

Larga, poeta, a mesa de escritório,
esquece a poesia burocrática
e vai cedinho à fila do feijão.

Cedinho, eu disse? Vai, mas é de véspera,
seja noite de estrela ou chuva grossa,
e sem certeza de trazer dois quilos.

Certeza não terás, mas esperança
(que substitui, em qualquer caso, tudo),
uma espera-esperança de dez horas.

Dez, doze ou mais: o tempo não importa
quando aperta o desejo brasileiro
de ter no prato a preta, amiga vagem.

Camburões, patrulhinhas te protegem
e gás lacrimogêneo facilita
o ato de comprar a tua cota.

Se levas cassetete na cabeça
ou no braço, nas costas, na virilha,
não o leves a mal: é por teu bem.

O feijão é de todos, em princípio,
tal como a liberdade, o amor, o ar.
Mas há que conquistá-lo a teus irmãos.

Bocas oitenta mil vão disputando
cada manhã o que somente chega
para de vinte mil matar a gula.

Insiste, não desistas: amanhã
outros vinte mil quilos em pacotes
serão distribuídos dessa forma.

A conta-gotas vai-se escoando o estoque
armazenado nos porões do Estado.
Assim não falta nunca feijão-preto

(embora falte sempre nas panelas).
Método esconde-pinga: não percebes
que ele torna excitante a tua busca?

Supermercados erguem barricadas
contra esse teu projeto de comer.
Há gritos, há desmaios, há prisões.

Suspense à la Hitchcock ante as cerradas
portas de bronze, guardas do escondido
papilionáceo grão que ambicionas.

É a grande aventura oferecida
ao morno cotidiano em que vegetas.
Instante de vibrar, curtir a vida

na dimensão dramática da luta
por um ideal pedestre mas autêntico:
Feijão! Feijão, ao menos um tiquinho!

Caldinho de feijão para as crianças…
Feijoada, essa não: é sonho puro,
mas um feijão modesto e camarada

que lembre os tempos tão desmoronados
em que ele florescia atrás da casa
sem o olho normativo da Cobal.

Se nada conseguires… tudo bem.
Esperar é que vale – o povo sabe
enquanto leva as suas bordoadas.

Larga, poeta, o verso comedido,
a paz do teu jardim vocabular,
e vai sofrer na fila do feijão.Fila do feijão_CDrummond-RReis-bx

 

/

Veja as fotos que Rogério Reis fez de Drummond em seu apartamento na Rua Conselheiro Lafaiete, 60, Copacabana aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s